A moça que não entendeu nenhum mistério do universo

"A alegria deves expulsar
Expulses também o medo
Toda tristeza deve desaparecer
E a esperança nenhum conforto trazer."

Não havia nada bom ou ruim, conseguia pensar e transformar o que viesse a mente, porém, no fundo, apenas sentia vazio. Nada havia. Todas suas tentativas se tornavam frustradas e sempre algo saia errado. Seria tamanha ingenuidade em uma pessoa para que tanta mágoa espalhasse... Crescer e se formar sozinha num mundo próprio fazendo e lidando com tudo da maneira que bem entendia a fez esquecer que há outras pessoas com outros mundos lá fora. Agora que algumas dessas pessoas tentam fazer parte e criar uma colaboração entre os mundos, apenas vê desespero em todos os lados enquanto inutilmente tentam acalmá-la. Não entende como esses outros aprenderam a lidar com tal compartilhamento de mundos, existe alguma culpa no meio disso tudo? Queria muito acreditar que não e que, caso existisse, não seria sua. Mas que outra alternativa havia? Era seu mundo, sua vida, seus sentimentos, o que quer que fosse causado, seria derivado de suas próprias ações e decisões e por que? Para que? Ela era realmente aquela criancinha que senta no sofá e observa os adultos fazerem suas coisas de adulto e observa os móveis e objetos existindo a sua volta e observa como não pode observar mas apenas sentir o ar. O que se tornava mais intrigante era o fato de que ela não apenas não entendi tais coisas, como também não entendia o porque continuava pensando. Queria apenas silêncio. 

Comentários

  1. Mesmo não tendo entendido, foi longe o suficiente para perceber que não os entendia...

    ResponderExcluir
  2. Não poderia ser mais clara

    ResponderExcluir
  3. Só não esquece que nós estamos em todos esses mundos, prontos para abrir aquelas portas que estiverem trancadas pra ti!

    ResponderExcluir

Postar um comentário